quarta-feira

O País que se segue...

A pressão da UE pelo respeito da legislação dos Direitos de Autor e consequentemente pelo Empréstimo Pago nas bibliotecas públicas continua a fazer "vítimas".

No passado dia 22 de Março, Espanha aprovou oficialmente o pagamento de 0,20 euros por cada documento emprestado numa biblioteca pública em concelhos que tenham mais de 5.000 habitantes. Após múltiplas pressões das bibliotecas quem vai pagar esses valor irá ser o Ministério da Cultura espanhol e as respectivas Comunidades Autónomas. O total do montante cobrado será dividido entre autores (70%) e editores (30%).
(fonte: biblioblog)

Ainda no início de Março recordava esta questão e agora aqui fica mais um "avanço" aqui no país vizinho! Quem será o país que se segue?!

E em Portugal... Quem vai pagar?
O Governo do Eng. Sócrates preocupado com a redução do déficit?
Os municípios portugueses com a nova Lei das Finanças Locais e que muitas vezes nem sequer investem nas próprias bibliotecas municipais?
Ou será mesmo o próprio utilizador e teremos de equipar os balcões de empréstimo com caixas registadoras?!

Independentemente de ser da opinião de que o próprio principio do empréstimo pago em bibliotecas públicas está errado, vamos aguardar pela atitude do estado português.

3 comentários:

Ana Sousa disse...

Parabéns pelas suas comunicações apresentadas no Congresso da BAD. Infelizmente só consegui assistir à de 6ª feira, apesar de ter muito curiosidade sobre a das bibliotecas prisionais. Parabéns também pelo blog e pelos recursos disponibilizados.

Isabel de Sousa disse...

Parabéns pela sua comunicação ao 9ºCongresso e por este post sobre o empréstimo.
Parece que está todo o mundo a assobiar para o ar e só a UI e os diplomas é que são notícia.
É tempo de colocarmos as Bibliotecas na ordem do dia.
Um abraço e para béns.
Isabel sousa

Bruno Duarte Eiras disse...

Boa noite isabel sousa,
obrigado pelo seu comentário e pela observação sobre a minha apresentação. Infelizmente as atenções dos media centram-se em outros assuntos e quando "derem por nós" talvez já seja tarde. Ainda assim vale a pena não deixar passar este assunto em branco, porque ele vai chegar até cá.
abraço,