terça-feira

As dimensões dos livros

Muitas vezes perguntamos o que é um livro: fonte de cultura e informação, objecto de prestígio e status social, elemento de reverência para uns e apenas mais uma forma de aceder ao conhecimento para outros.

Mas não é novo que o livro pode também ser um objecto artístico! Diferente dos códices iluminados e das verdadeiras obras de arte fruto das modernas técnicas de edição e artes gráficas, a fotógrafa Cara Barer apresenta uma nova faceta do livro-arte.

Atenção: Não recomendável aos bibliófilos mais conservadores!

"I realized I owned many books that were no longer of use to me, or for that matter, anyone else. Would I ever need “Windows 95?” After soaking it in the bathtub for a few hours, it had a new shape and purpose. Half Price Books became a regular haunt, and an abandoned house gave me a set of outdated reference books, complete with mold and neglect. Each book tells me how to begin according to its size, type of paper, and sometimes contents."

"My photographs are primarily a documentation of a physical evolution. I have changed a common object into sculpture in a state of flux. The way we choose to research and find information is also in an evolution. I hope to raise questions about these changes, the ephemeral and fragile nature in which we now obtain knowledge, and the future of books."

Estas fotos fizeram-me lembrar uma exposição chamada "Imagens de arquivo: conteúdo e vestimenta" que esteve disponível em versão electrónica no site da BAD. São as maravilhas da fotografia aliada às bibliotecas e aos arquivos.

Este post foi uma daquelas coincidências engraçadas; no mesmo dia recebi um e-mail com este site através de um fórum sobre bibliotecas públicas, uma amiga falou-me desta fotógrafa e vi um post no Bibliotecário 2.0. É a verdadeira aldeia global em acção!

6 comentários:

Luísa Alvim disse...

Viva

já agora qual é o fórum de bibliotecas públicas que mencionas? é público?

Bruno Duarte Eiras disse...

Olá, Luísa
É o PubLib; é um forum de bibliotecas publicas norte-americanas. Às vezes aparecem informações interessantes, mas tem a desvantagens de se receber dezenas de e-mails por dia e de a realidade ser um pouco diferente da nacional. Ainda assim, dá para nos mantermos informados sobre outras realidades.

Marta C. Santos disse...

Então eu mando-te o link cheio de fotos fantásticas e em vez de as aproveitares utilizas uma parte da página inicial! :-) ai, ai...

Bruno Duarte Eiras disse...

Olá Marta,
Optei por colocar uma foto mais discreta do que matar logo a curiosidade de entrar no site... ;-)Vai aparecendo.

ana ag... disse...

Parabéns Bruno, por este post que "linka" livros e preocupações biblioteconómicas à fotografia (que eu tanto gosto) e à arte em geral. As imagens são lindissímas e as questões que a Cara levanta são muito prementes. Somos personagens históricas de uma revolução vertiginosa, que está para durar, parece-me. Atrevo-me a dizer "lifeweb 2.1"... mas se nos falhar a tecnologia, saberemos voltar a viver no natural?
Bjs
Ana

Bruno Duarte Eiras disse...

Olá, Ana
Penso que depois de algumas dificuldades saberemos regressar ao "passado natural". Pelo menos aqueles que já viveram sem esta "revolução vertiginosa" da tecnologia.