quarta-feira

Caetano Veloso - "Livros"

Caetano Veloso - Livros (1998)

Tropeçavas nos astros desastrada
Quase não tínhamos livros em casa
E a cidade não tinha livraria
Mas os livros que em nossa vida entraram
São como a radiação de um corpo negro
Apontando pr'a a expansão do Universo
Porque a frase, o conceito, o enredo, o verso
(E, sem dúvida, sobretudo o verso)
É o que pode lançar mundos no mundo.

Tropeçavas nos astros desastrada
Sem saber que a ventura e a desventura
Dessa estrada que vai do nada ao nada
São livros e o luar contra a cultura.

Os livros são objetos transcendentes
Mas podemos amá-los do amor táctil
Que votamos aos maços de cigarro
Domá-los, cultivá-los em aquários,
Em estantes, gaiolas, em fogueiras
Ou lançá-los pr'a fora das janelas
(Talvez isso nos livre de lançarmo-nos)
Ou ­ o que é muito pior ­ por odiarmo-los
Podemos simplesmente escrever um:

Encher de vãs palavras muitas páginas
E de mais confusão as prateleiras.
Tropeçavas nos astros desastrada
Mas pr'a mim foste a estrela entre as estrelas.

4 comentários:

Ana Arnold Guerreiro disse...

Parabéns! Que bonita homenagem aos livros, com esta canção /poema de Caetano Veloso e que dá nome ao álbum. Gosto muito desta música, desde que a ouvi no concerto que ele deu na praço Sony da Expo 98.
Define tudo o que os livros são e podem ser: cumplices companheiros de todos os momentos.
Bjs
AAG

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Bruno Duarte Eiras disse...

Olá, Ana
Não queria deixar passar este dia sempre fazer referência a esta música do Caetano Veloso; uma das minhas favoritas.
E que boa reunião: música e livros!
Bjs

Bruno Duarte Eiras disse...

Boa noite, Antero Neto
Tendo em conta o assunto do seu comentário enviei-lhe um e-mail. Suponho que o tenha recebido?!
Cumprimentos,