terça-feira

"Ficheiros por autor"

Tal como sucedeu em Março, a nossa colega Isabel Goulão escreveu mais um texto sobre o mundo das bibliotecas e dos bibliotecários para a revista Atlântico. Pelo interesse das referências e pela pertinência sempre actual do tema aqui fica a partilha do texto sobre "bibliotecários famosos embora não necessariamente famosos enquanto bibliotecários".

Escrevi aqui, no mês passado, sobre a imagem ficcionada das funções de bibliotecário, ou melhor, da forma como o cinema ajudou a formar alguns estereótipos relacionados com esta profissão. Da glamorosa Carole Lombard a namoriscar entre estantes de madeira enroscada aos braços de Clark Gable no filme “No man of her own” à representação da bibliotecária ríspida, cinzenta e sem feminilidade, assim se foi construindo uma caricatura que em quase nada corresponde à realidade como eu a conheço. Por prudência, deixo ficar o “quase nada” por conta da realidade que não conheço.
Mas deixemos os estereótipos e as caricaturas e falemos de bibliotecários famosos embora não necessariamente famosos enquanto bibliotecários. Vejamos. Afinal, que têm em comum a Senhora Bush, Golda Meir, Nadezda Krupskaia (mulher de Lenine) e Hilda Guevara? E Mao Tse-Tung, Hume, Lewis Carroll, Benjamin Franklin e Marcel Duchamp? Pois bem: foram todos colegas de profissão e logo, meus colegas também. Todos foram bibliotecários em determinadas alturas das suas vidas, tendo-se tornado, para o bem e para ao mal, famosos por outras circunstâncias que não exactamente por terem andado entre estantes ou cumprido regras de catalogação. Vendo as coisas de outro modo e a bem da Humanidade, alguns deles deviam ter ficado pela nobre missão de classificar e arrumar as obras pelos vários temas em vez de terem produzido ou autorizado obras de cota única. Pelo contrário, também houve casos em que se perdeu um bibliotecário para se ganhar um grande artista, um proeminente pensador ou um clássico da Literatura.
Vejamos o caso de Proust. Para agradar à mãe e não hostilizar o pai, arranjou um emprego (ou uma ficção) não remunerado na Biblioteca de Mazarine na qual se distinguiu pelo número de ausências por falta de vontade ou faltas de ar.
Durante os nove anos que esteve numa das instalações da Biblioteca Municipal de Buenos Aires, Jorge Luis Borges foi um bibliotecário frustrado no seu trabalho. Hostilizado pelos colegas, refugiava-se nas caves da bibliotecas onde, para a História da Literatura, escreveu diversos artigos e também o conto “A Biblioteca de Babel”. Após a queda de Perón foi nomeado, aos 56 anos, nomeado Director da Biblioteca Nacional.
Escritores como Philip Larkin, Robert Musil, Strindberg, Goethe, os irmãos Grimm, Alexandre Soljenitsyne (na prisão), os filósofo Kant e Leibniz (criador do catálogo de entradas por autor), o multifacetado Benjamin Franklin (precursor das bibliotecas públicas), assim como diversos Papas foram igualmente bibliotecários, demonstrando uma grande versatilidade e inúmeras competências, como se diz agora.
Mas há outros bibliotecários famosos apesar de não se terem distinguido exactamente pela sua dedicação aos livros, como é o caso de Casanova. Após uma tumultuosa e agitada vida libertina, nos últimos anos da sua vida, este afamado personagem aborreceu-se de morte durante a sua reforma dourada enquanto sombrio bibliotecário de uma casa nobre, onde escreveu a sua autobiografia.
No entanto, houve quem certamente tivesse posto em prática os conhecimentos obtidos na técnica de classificação e indexação. Falo do chefe do FBI, J. Edgar Hoover, bibliotecário durante alguns anos na Biblioteca do Congresso. Suponho que experiência que desenvolveu na organização de ficheiros, arquivos e classificação por assuntos tenham sido da maior utilidade nas suas funções à frente do FBI.
E termino com alguns exemplos nacionais. Em Portugal, tivemos igualmente escritores que desempenharam funções em bibliotecas, personalidades que se destacaram pela sua actividade intelectual e acção política, como são os casos de Raul Proença e Jaime Cortesão, ambos aos serviço da Biblioteca Nacional, tendo este último sido seu director. Sem esquecer, claro, Fernando Pessoa, que concorreu, sem êxito ao cargo de conservador do Museu-Biblioteca Conde de Castro Guimarães. Viria a ocupar esse lugar em 2000, atribuído simbolicamente pela Câmara de Cascais.
Informação recolhida em:
http://lisdb.blogspot.com/search/label/bibliotecarios%20c%C3%A9lebres%20pero%20por%20otra%20cosa
http://www.readingpl.org/weblog/2005/09/vol-7-no-37-september-22-2005.html
Maria Isabel Goulão

2 comentários:

MissPearls disse...

Obrigada de novo, Bruno.

Os links para as fontes podem ser encontrados no texto colocado no blog:

http://misspearls.blogspot.com/2008/04/o-meu-artigo-na-revista-atlntico-de.html

Isabel

Bruno Duarte Eiras disse...

Foi um prazer ler e "publicar" mais um bom contributo para a divulgação da profissão junto do grande público.