quinta-feira

Conversas de biblioteca XIII

Numa bela manhã fria de inverno, um senhor entra pela biblioteca a dentro a esbracejar e aos gritos, ameaçando bater ao primeiro que lhe faça frente....

- Bom dia, posso ajudar?
Eu queria saber porque raio é que me cortaram a água?
- Desculpe, não fomos com toda a certeza nós aqui na biblioteca que lhe cortamos a água!
Ai isso é que foram... veja aqui a morada! E eu só queria saber qual o motivo. Porque eu tenho tudo pago e não devo nada a ninguém.
- Entendo, mas aqui é a biblioteca e não temos nada a ver com o fornecimento de água.
Ai não têm... mas eu é que estou sem água em casa e tive de me deslocar até aqui para saber o motivo.
- Já percebi que o senhor não tem água em casa, mas aqui na biblioteca não temos nada a ver com esse assunto.
Mas se não têm porque motivo enviaram esta carta?
- Isso e que eu estou a tentar explicar... Aqui é a biblioteca municipal e não enviamos cartas a informar do corte de água.
Mas eu não tenho água em casa, e paguei a conta e vocês estão a querer que eu pague novamente!?!?!? Nem pensei nisso... era só o que faltava. Acham que já cobram pouco?!
- Ouça! Aqui funciona a biblioteca municipal e como imagina não tratamos do fornecimento de água!
O quê... biblioteca municipal?! Mas aqui não têm nada a ver com a água! Oh homem, já podia ter dito! Vocês andam todos a fazer perder tempo às pessoas. Sinceramente!

3 comentários:

Lía disse...

Increible... ¿pero cierto?

Saludos,
Lía.

Ana Arnold Guerreiro disse...

hehehe...!
Um bom gag para uma futura sequela de Saramago: ensaio sobre a surdez.
"Ele" há tanta gente por ai que só se ouve a si mesmo... :-)
Beijos!
Ana

Bruno Duarte Eiras disse...

Cara Lia,
Esta situação é mesmo real. Mas é realmente incrível.
Obrigado pela visita.

Anita,
Estás mesmo a ver onde é que esta situação ocorreu. :-)
"Ensaio sobre a surdez" é um bom título.
Bjs